Canais Digitais dependem de análise e boas Estratégias
8 de abril de 2022
Balanço Patrimonial X Balancete
11 de abril de 2022
Exibir tudo

O interesse em investir na América Latina está crescendo rapidamente – apesar da crise na Ucrânia

Tempo de leitura: 03 minutos

As startups da América Latina estão atraindo capital de risco como nunca antes. Eles preenchem um vazio criado por serviços precários e oferecem uma alternativa para investidores cada vez mais desconfiados da China como um lugar para investir.

O IPO do banco digital brasileiro Nubank na Bolsa de Valores de Nova York no final do ano passado trouxe pela primeira vez a indústria de fintech na América Latina à atenção de investidores em todo o mundo. O banco foi fundado há apenas sete anos em São Paulo. Inicialmente, atraiu os clientes com um cartão de crédito gratuito. O Nubank agora oferece todos os serviços de um banco tradicional via app. Com uma avaliação de cerca de US$ 40 bilhões, o Nubank é hoje uma das empresas mais caras da América Latina.

O Nubank é a ponta de um iceberg. Já existem duas dezenas de fintechs na América Latina que valem mais de um bilhão de dólares. Do Brasil, incluem os provedores de sistemas de pagamento Stone e PagSeguro, bem como a plataforma de investidores XP. Da Argentina, o provedor de pagamentos Ualá já vale mais de um bilhão de dólares. O carrossel de aquisições entre as empresas de fintech está girando cada vez mais rápido. «Agora, a próxima geração de fintechs quer abrir o capital», diz Diego Perez, da associação Abfintechs em São Paulo.

Dezesseis novos «unicórnios» – startups de capital fechado com uma avaliação de mais de US$ 1 bilhão – surgiram na América Latina no ano passado, de acordo com a Associação de Investimentos de Capital Privado na América Latina, ou LAVCA, incluindo a plataforma de câmbio de criptomoedas Bitso e a base de plantas chilena produtor de alimentos NotCo.

Três vezes mais capital de risco do que em um ano recorde
O alto ritmo de start-ups e investimentos pode ser demonstrado ainda mais pelos números. Por exemplo, cerca de US$ 15 bilhões em capital de risco fluíram para a América Latina em 2021, de acordo com a LAVCA. Isso é cerca de três vezes mais do que o ano recorde anterior de 2019. Em comparação, no Extremo Oriente (excluindo a China), o setor financeiro investiu cerca de US$ 25 bilhões em capital de risco no ano passado.

O grande interesse dos investidores é surpreendente à primeira vista. Isso porque a América Latina vem crescendo a taxas abaixo da média há vários anos, especialmente nas economias importantes como Brasil, México e Argentina. Crises políticas e sociais também ameaçam países economicamente bem-sucedidos, como Peru ou Chile. Além disso, a pandemia de coronavírus atingiu particularmente o continente. Tecnologicamente, a região também é pouco conhecida por inovações ou corporações globais digitais.

Mas o atraso tecnológico, combinado com uma alta afinidade de internet entre a população de quase 700 milhões de pessoas e um estado que falha como provedor de serviços públicos – criou o terreno ideal para startups e seus investidores.

Além disso, as recentes experiências negativas dos investidores na China com o controle e intervenção do governo em empresas de capital aberto aumentaram ainda mais o interesse dos investidores em startups da América Latina.

Os mercados financeiros da América Latina também estão se beneficiando do conflito na Ucrânia: as entradas de capital para a América Latina em ações e títulos foram de US$ 18 bilhões do início do ano até o final de fevereiro, mais que o dobro de todos os outros mercados emergentes juntos . As moedas do Brasil, Peru, Colômbia e Chile subiram acentuadamente desde o início do conflito na Europa. «Em meio à volatilidade atual, a América Latina oferece algumas oportunidades para os investidores», disse à Reuters Alfonso Eyzaguirre, CEO do JPMorgan Chase América Latina e Canadá.

Além disso, a demanda de recuperação e, portanto, o potencial na América Latina são maiores do que na China. As muitas questões grandes e não resolvidas criam um ambiente favorável para startups: O estado, mas também empresas tradicionais da América Latina, oferecem poucos serviços satisfatórios: por exemplo, em segurança, educação, saúde, habitação, infraestrutura, transporte, logística.

O Softbank do Japão se tornou um dos primeiros grandes fundos mistos a declarar a América Latina como um mercado prioritário para investimentos. «A América Latina tem o dobro da produção econômica da Índia, mas apenas uma fração de seu capital de risco», disse o fundador do Softbank, Masayoshi Son, ao lançar sua primeira diversão de US$ 5 bilhões na América Latina em 2019. «Um mercado tão grande, historicamente carente de capital e ambição, apresenta-nos muitas oportunidades.»

O Softbank foi o pioneiro na América Latina
O Softbank parece ter vindo para a América Latina no momento certo. Atualmente, existem 21 candidatos a startups na América Latina se preparando para um IPO, de acordo com a plataforma Pitch Control, dos quais 15 receberam capital do Softbank. Ainda no início deste ano – pouco antes de renunciar ao cargo de COO da Softbank – Marcelo Claure afirmou que oito startups da América Latina com participação da Softbank abririam o capital este ano. «Esperamos que o volume de investimentos aumente para US$ 28 bilhões em 2022», disse Claure. Há muito interesse de bancos e family offices que de repente descobriram a América Latina.

Há apenas alguns meses, o Softbank aumentou o capital do Latin America Fund para US$ 8 bilhões ao lançar um fundo de investimento adicional para rodadas de financiamento em estágio inicial de US$ 300 milhões. O motivo: «Existem muitos problemas a serem resolvidos pelas startups na América Latina, mas não estão sendo resolvidos por falta de fundos qualificados da Série A», diz Rodrigo Baer, ​​sócio do Softbank Latin America Fund. Agora há mais empreendedores de startups experientes que podem crescer mais rápido, mas precisam de mais capital para isso, disse ele.

Enquanto isso, no entanto, também há dúvidas iniciais sobre se os investidores continuarão investindo seu capital em startups da América Latina a uma taxa tão alta. André Maciel, do fundo de capital de risco brasileiro Volpe, por exemplo, observa que atualmente pode haver mais capital disponível do que talento, e que as startups podem desenvolver mais novas tecnologias que poderiam ser adotadas pelos usuários.

A digitalização nas indústrias tradicionais está apenas começando
Por sua vez, Gustavo Araujo, CEO e cofundador da plataforma brasileira de inovação Distrito, acredita que o crescimento continuará em 2022, liderado principalmente por fintechs, além de startups e plataformas de varejo e proptech (imobiliária). Essas indústrias tradicionais passavam por um processo contínuo de digitalização e o estenderiam a outros mercados, como serviços financeiros, saúde e educação, diz Araujo – tendência que já era evidente em 2021. Hoje, não há lugar no mundo com maior investimento oportunidades do que a América Latina.

Fonte: Notícias



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Olá, posso ajudar?